O DIRETÓRIO INDUSTRIAL
Contate diretamente com as empresas

Jungheinrich apresenta nova geração de empilhadeiras a combustão

  • 14/02/2014, São Paulo (BR)

  • A fabricante alemã lança sua nova série de empilhadeiras a combustão, totalmente remodelada, na CeMAT Hanover, em maio.

 

A fabricante alemã lança sua nova série de empilhadeiras a combustão, totalmente remodelada, na CeMAT Hanover, em maio. As novas empilhadeiras, desenvolvidas e fabricadas na Alemanha, se destacam pela sua robustez, taxa de eficiência acima da média e baixo consumo de combustível.

Em maio de 2014 a Jungheinrich Empilhadeiras irá lançar duas novas séries de empilhadeiras contrabalançadas a combustão. Serão equipamentos hidrodinâmicos com motor a diesel ou gás (GLP). Os novos modelos, DFG/TFG 316-320 e DFG/TFG 425-435, terão capacidade de até 3.500 kg e elevação até 7,5 metros.

Ideal para operações pesadas em diferentes temperaturas

Os motores Kubota estão presentes em todos os equipamentos fabricados na planta de Moosburg, na Bavaria. "Esses motores industriais foram testados em operações pesadas de vários países, com diferentes condições climáticas, e mostraram alto torque com baixa rotação", explica Marek Scheithauer, Gerente de Produto de Empilhadeiras a Combustão na Jungheinrich. As novas empilhadeiras se destacam pela alta qualidade, extrema durabilidade e componentes com longa vida útil, sendo assim ideais para operações extremamente pesadas em qualquer condição climática. De acordo com Scheithauer, a necessidade do mercado por equipamentos que possam operar em ambientes agressivos inspirou a Jungheinrich a aplicar os últimos desenvolvimentos tecnológicos aos componentes da nova empilhadeira a combustão. Isso inclui inovações no mastro, chassi e eixo de direção.

O contrapeso da nova empilhadeira é parte integrante do chassi e o eixo de direção integrado no contrapeso. "O centro de gravidade não é muito baixo e posicionado de forma otimizada entre os eixos", continua Scheithauer. Issopermite que a empilhadeira tenha uma ótima estabilidade, parada ou em movimento.

O eixo de transmissão da Jungheinrich possui um freio multi-disco livre de desgaste que, comparados a freios de tambor, possuem quase nenhum custo de manutenção. Além disso, graças ao design fechado, condições externas agressivas não diminuem a performance dos freios. O sistema de resfriamento trabalha com total performance mesmo em ambientes com temperaturas muito elevadas. O radiador é uma unidade única feita de alumínio.

Todas essas características tornam as novas DFG/TFG da Jungheinrich apropriadas para operações com temperaturas extremamente elevadas e protege os componentes de poeira e outros fatores prejudiciais.

Alta disponibilidade do equipamento

Graças à alta qualidade e simplicidade dos componentes, a manutenção se torna rápida, fácil e econômica. Marek Scheithauer explica, "Mesmo no caso da necessidade de manutenção, podemos garantir alta disponibilidade e minimizar paradas na operação".
Na fase de desenvolvimento dessa nova série de empilhadeiras, os engenheiros também tiveram uma atenção especial ao assento do operador. A estreita coluna de direção oferece mais espaço para as penas, comparado aos outros equipamentos. O operador pode ajustar o assento para suas necessidades, evitando fadiga durante a operação.

Os novos modelos possuem também freio de estacionamento elétrico de série, acabando com a alavanca de mão usada anteriormente. O operador precisa apenas pressionar um botão para ativar o freio.

O mastro também sofreu mudanças no design, melhorando a visão da carga, garfos e da área de trabalho. "Uma boa visibilidade não impacta apenas na comodidade do operador e segurança, mas também proporciona maiores taxas de performance", explica Scheithauer.
A Jungheinrich está entre as empresas internacionais que lideram o mercado de equipamentos para armazenagem, movimentação e fluxo de material. A Empresa é um provedor de soluções com fabricação de equipamentos, oferecendo aos seus clientes uma linha abrangente de empilhadeiras, sistemas de armazenagem e serviços. Está presente no Brasil, com estrutura própria, desde 2001.